A Música que Chico Buarque Fez para Lula

ACORDA LULA

Acorda Lula
Eu tive um pesadelo agora
Sonhei que tinha gente lá fora
Batendo no portão, que aflição
Era a dura, numa muito escura viatura
Minha nossa santa criatura
Chame, chame, chame, chame o ladrão

Acorda Lula
Não é mais pesadelo nada
Tem gente já no vão da escada
Fazendo confusão, que aflição
São os homens, e você aqui parado de pijama
Você não gosta de passar vexame
Chame, chame, chame, chame o ladrão

Se você demorar uns meses convém às vezes eu sofrer
Mas depois de um ano você não vindo
Ponho roupa de domingo e pode me esquecer

Acorda Lula
Que o bicho é bravo e não sossega
Se você corre o bicho pega
Se fica não sei não
Atenção, não demora
Dia desses chega minha hora

Não discuta à toa, não reclame
Clame, chame lá, chame, chame
Clame o ladrão, chame o ladrão, clame o ladrão…
(Não esqueça a escova, o sabonete e o petrolão)

Chico e Lula (Que Vergonha, Chico Buarque!)Chico e Lula (Que Vergonha, Chico Buarque!)

Vencendo Lula, Dilma e o PT: Constituição Federal, Código Penal e Lógica

Vencendo Lula, Dilma e o PT: Constituição Federal, Código Penal e Lógica

Hoje, os maiores inimigo do lulo-petismo são a Constituição Federal, o Código Penal e a Lógica, inclusive a da linguagem (Gramática), e a da medição dos resultados (Estatísticas) do governo.

Fico imaginando, então, o que Lula teria pensado ao receber das mãos de Renan Calheiros a própria Constituição Federal (qual Drácula, por exemplo, recebendo um grande crucifixo para segurar com as próprias mãos ):

Constituição Federal é Maior que Lula

Lula: o Político Paradigmático

Lula quer passar-se por político paradigmático. Paradigmático é algo ou alguém que atua como ideal de exemplo e modelo. O título acima é uma ironia. Lula não serve de exemplo e modelo.

Ele mente, engana os menos informados e frauda o processo político brasileiro: não é verdade que Lula critica Doutora Dilma e o PT por estar aborrecido com o mal que eles fazem ao País. Doutora Dilma e o PT são apenas instrumentos total e completamente controlados por ele. Lula os critica apenas para que os incautos pensem que com ele seria melhor, muito melhor, e resolvam votar nele novamente em 2018.

Mas André, para criticar Lula (e todos os demais bandidos políticos que pululam no Brasil) você não teria que ser um legítimo homem paradigmático? Para tal mister, não teríamos todos que ser pessoas paradigmáticas de verdade, perfeitamente paradigmáticas?

Não. Sonoro, óbvio e ululante NÃO. Honestos e éticos não seremos hipócritas, mas não precisamos ser perfeitos para criticar desvios evidentes em quem quer que seja. Caráter e probidade – mais que ideal de santidade paradigmática – são qualidades que importam na luta contra a criminalidade dos agentes políticos e pelo aprimoramento das nossas instituições democráticas.

O PT

O PT

O PT
é uma estrela de mentira envergonhando os astrônomos

O PT
é uma flor de pânico apavorando os floricultores

O PT
é o produto quintessente de um laboratório falido

O PT
é estúpido, é desonesto, é ferotriste, é cheio de rocamboles

O PT
é grotesco de tão metuendo e coça a perna e o bolso

O PT
corrompe até no domingo, até que os morcegos esvoacem

O PT
não tem preço (baixo), não tem lugar, não tem domicílio

O PT
amanhã promete ser melhorzinho, mas esquece e continua vil

O PT
não está no fundo do cofre, está principalmente onde o cofre está

O PT
mente e sorri sem dente (sem-vergonha sem vergonha)

O PT
vai a todas as conferências e senta-se de todos os lados

O PT
é redondo que nem mesa redonda, e quadrado

O PT
tem horas que sente falta de outro partido da mesma laia para cruzar

O PT
multiplica-se em ações ao portador e portadores sem ação

O PT
chora nas noites de chuva, enrodilha-se nas chaminés (com medo de ser pego)

O PT
faz weekend na Semana Santa

O PT
tem 50 megatons de algidez por 85 de ignomínia

O PT
industrializou as térmites, convertendo-as em balísticos interplanetários

O PT
sofre de hérnia estranguladora, de amnésia, de mononucleose, de verborréia

O PT
não é sério, é conspicuamente tedioso

O PT
envenena as crianças do País antes que comecem a nascer

O PT
continua a envenená-las no curso da participação política

O PT
respeita os poderes monetários espirituais, os temporais e os tais

O PT
pula de um lado para outro gritando: eu sou O PT

O PT
é um cisco no olho da vida dos brasileiros, e não sai

O PT
é uma inflamação no ventre da primavera

O PT
tem a seu serviço música estereofônica e mil valetes de ouro, prata e diamante, além da comparsaria

O PT
tem supermercado, circo, estádio, arena, quadrilha e esquadrilha de mísseis, etc.

O PT
não admite que ninguém acorde do torpor sem motivo grave

O PT
quer é manter acordados nervosos e sãos, políticos ricos e paralíticos

O PT
rouba e mata só de pensarem que vem aí para roubar e matar

O PT
dobra e prende todas as línguas à sua turva sintaxe

O PT
saboreia a morte da ética com marshmallow

O PT
arrota impostura, corrupção e prosopopéia política

O PT
cria leopardos no quintal, eventualmente nos Salões Verde e Azul

O PT
é podridão e degenerescência

O PT
gostaria de ter remorso para justificar-se, mas isso lhe é vedado

O PT
pagou caro ao Diabo para que o batizasse e pediu a Deus que lhe validasse o batismo

O PT
declara-se balança de justiça, arca de amor, arcanjo de fraternidade

O PT
tem um clube fechadíssimo (e caríssimo)

O PT
pondera com olho neocrítico os prêmios de fancaria recebidos por Lula

O PT
é russocubano bolívarvenezuelano equatoriañol, mas agradam-lhe eflúvios de Paris

O PT
oferece de bandeja hipocrisia pura, e, a título de bonificação, átomos de honra

O PT
não terá trabalho com os estudos gramaticais, lógicos ou penais

O PT
desenha (des)governabilidade ultracínica para proteger mensalinhos, mensalões e petrolões

O PT
não admite que ninguém se dê ao luxo de morrer de desencanto

O PT
é câncer (e desencanto) no orçamento público

O PT
vai à Lua, assovia e volta (de primeira classe e com tudo pago pelo contribuinte)

O PT
reduz aliados neutros a neutrinos, e abana-se com o leque da reação em cadeia (na cadeia)

O PT
está abusando da (in)glória de ser o PT

O PT
não sabe quando, onde e porque vai explodir a roubar, mas preliba o instante inefável

O PT
é podre poder e fede a roubalheiras bilionárias

O PT
é vigiado por sentinelas pávidas em torreões de cartolina

O PT
com ser uma besta confusa e dissoluta, dá tempo aos brasileiros para que se salvem

O PT
não destruirá a sociedade nem o Brasil

Os eleitores brasileiros
(tenho esperança) liquidarão o PT.

(Adaptação do poema “A Bomba”, do Carlos Drummond de Andrade (publicado em 1962), que, se vivesse nos dias atuais, certamente teria escrito, além de sobre a bomba atômica, também a respeito do muito mais perigoso partido bandido…)

A Estupidez e o Infinito

A Estupidez e o Infinito

Perguntaram a um filósofo qual a prova de que o infinito não seria só uma abstração matemática e existiria de verdade, e ele respondeu, de pronto:

“– A estupidez humana!”

…Pois bem, no momento mais tenso da campanha da Doutora Dilma à reeleição, quando estava perdendo para o Aécio Neves nas pesquisas eleitorais do segundo turno, e todos no PT já se desesperavam com a potencial derrota iminente, João Santana, o marqueteiro petista, em dramática reunião com Lula, disse-lhe:

“– Tenho duas notícias, uma péssima e outra excelente, qual você quer ouvir primeiro?”

“– Manda a péssima!”

“– Só imbecis vão acreditar, sem nenhum indício concreto, que Aécio é um bêbado, drogado, que bate em mulher, e que, se eleito, vai privatizar as estatais e os bancos públicos, derrubar o salário mínimo, acabar com o Bolsa-Família, e sandices semelhantes! E, pior, só idiotas vão acreditar que Dilma e o senhor não sabiam da roubalheira bilionária na Petrobras (que já estão chamando de PTRoubarás), dados os indícios gritantes e evidências esmagadoras de que sabiam, sim…”

“– Agora, quero a excelente… A gente vai ganhar cargo importante no governo de Cuba, da Bolívia ou da Venezuela?”

“– Não, muito melhor: conforme descobri durante o Mensalão, eles são a maioria no eleitorado brasileiro!!!”

Lágrimas para Lory: Amor e Abandono, Perda e Humanidade

Lágrimas para Lory: Amor e Abandono, Perda e Humanidade

Lory era uma dálmata que encontrei, por acaso, na casa de uma vizinha, há cerca de um ano. Confesso que não gosto de animais de estimação, mas, quando a vi, velha e doente, com o olhar mais triste e assombrado desse mundo, não resisti e, enquanto acariciava sua cabecinha com pena, procurei saber sua história.

Seu dono, neto da vizinha, a adorava quando a ganhou, filhote lindo e serelepe que a todos encantava com sua vivacidade e inteligência, o que continuou em sua juventude. Seu nome completo, Sofia Lory, foi uma homenagem à sua estonteante beleza clássica. Mas o tempo passou célere para Lory, inexorável e impiedoso… E sua velhice, enfim, chegou depois de apenas treze anos, pois lamentavelmente dálmatas vivem deveras pouco.

Nesse ínterim, seu dono casou-se, mudou-se, e a cachorrinha quedou abandonada e esquecida, no pequeno e triste quintal da avó dele. Velhinha esforçada que tentava, estoicamente, cuidar-se, e da pobre criaturinha desprezada. Entregues à própria sorte, no entanto, seus destinos não pareciam venturosos.

Inesperada e inexplicavelmente, a cachorrinha, desde então, pateticamente afeiçoou-se por mim, e chorava uivando sempre quando sentia minha presença em casa, para que fosse dar-lhe migalhas de atenção. Tentei ajudar em seus cuidados, além de acarinhá-la sempre, comprando-lhe ração, dando-lhe banho, tirando-lhe os carrapatos e outros parasitas, levando-a ao veterinário e saindo todos os dias que podia para passear com ela.

Na terça-feira do Carnaval, no entanto, quando cheguei em casa depois de vários dias fora, ela, como sempre, começou a chorar de saudades, uivando alto para que eu fosse vê-la. Como já era madrugada, todavia, resolvi não incomodar a vizinha àquela hora. Trágica e infeliz decisão da qual me arrependerei pelo resto de minha vida…

De manhazinha, encontrei Lory prostrada no chão úmido do seu quintal sepulcral, ferida de morte pelo chute brutal que seu dono, em esporádica visita à avó, desferira-lhe de madrugada para que ela parasse de chorar, atrapalhando seu sono… Seus olhinhos estavam muito mais tristes que da primeira vez que a encontrara, tristeza que nunca vira em qualquer pessoa, mesmo nos momentos mais melancólicos da vida…

Enquanto a acariciava em desespero imobilizador, Lory foi uivando cada vez mais baixinho, à medida que aumentava o fiozinho de sangue que escorria da sua boca, restando inconsciente e imóvel poucos segundos após minha chegada… Enfim, faleceu, parecendo apenas que tinha me esperado chegar para morrer em paz, como último ato em seu vale particular de lágrimas.

Esse estranho e redentor sentimento fez-me entender, então, finalmente, o que inúmeros amores e amizades com humanos ainda não tinham conseguido: o que – de verdade – significam amor e abandono, perda e humanidade…

O Homem que Roubava Tudo (Menos Livros)

O Homem que Roubava Tudo (Menos Livros)

Ao assistir ao comovente filme “A Menina que Roubava Livros” – alegoria da batalha contra a desesperança humana, onde uma jovem aprende a ler, amar e “rouba” (na verdade, salva) livros de fogueira nazista e (“pega emprestado”) da biblioteca da casa do prefeito, na Alemanha na Segunda Guerra Mundial – lembrei-me do seu antípoda, no Brasil atual: o homem que roubava tudo (menos livros).

Acho que a obra em que o filme foi baseado, do escritor australiano Markus Zusak, propõe que apenas o amor, a amizade e o conhecimento (representados pelos livros) são capazes de lutar contra a maldade, a miséria e a ignorância (representadas pela guerra).

Assim, sem os livros, seríamos nada além de nada, submetidos a todos os sofrimentos de um mundo hostil, insensível e estéril, absolutamente sem qualquer chance de salvação, em universo indiferente, sombrio e desumano.

Pois nosso amado País corre o risco de consolidar-se como a pátria desses males, se continuarmos a apoiar o homem, sua mulher e seus meninos que roubam tudo e qualquer coisa… Menos livros…

A Menina que Roubava Livros

A Menina que Roubava Livros